Revista Veja divulga conclusões de estudo sobre atividade esportiva feito no país
5 de outubro de 2011
Karol Meyer recebe prêmio Top of Quality 2011
10 de outubro de 2011

Mercado para profissionais de Educação Física está aquecido graças a maior preocupação com a saúde

Dietas, importância de exercícios físicos, histórias de superação na TV. Por todos os lados somos lembrados de que não devemos levar uma vida sedentária. Resultado: a multiplicação de redes de academias para todos os perfis e bolsos. E oportunidades de emprego também para profissionais de educação física.

De acordo com o diretor técnico da rede A!Bodytech, Eduardo Netto, esta “campanha” pelo bem-estar, somada à realização de diversos eventos esportivos, especialmente no Rio de Janeiro, aqueceu o mercado de trabalho na área.

– Sem dúvida o mercado está extremamente aquecido, principalmente porque a saúde hoje é uma preocupação de toda a população e atinge todas as classes sociais. Além disso, o envolvimento do país com os futuros eventos esportivos desperta ainda mais o interesse pelas atividades físicas – explica Netto.

Apesar do crescimento, ainda permanecem alguns preconceitos em relação à formação, pois muita gente acredita que no curso só vai jogar futebol ou basquete. O diretor do Instituto de Educação Física da Uerj, Edson de Almeida Ramos, rebate essa visão.

– Atualmente, a educação física tem uma base científica muito ampla, que inclui biomecânica, anatomia, fisiologia, nutrição, todo esse aparato – afirma o professor.

O estudante do 7 período da Estácio e estagiário na A!Bodytech Diogo Lobato conta que muita gente entra no curso, se engana e desiste.

– Tive um colega que achou que ia ser fácil, mas, quando foi encarar as matérias de saúde, não passou e desistiu – conta Diego.

Apesar do mercado aquecido, os jovens contam que a remuneração muitas vezes não é a ideal. De olho nisso, Marcela Lima chegou a cursar Produção de Eventos e Administração, antes de Educação Física. Agora, admite que se encontrou.

– Sempre pratiquei esporte, fiz balé, joguei futebol e capoeira. Meu pai falava para eu ter uma visão ampla do mercado de trabalho, aí fui fazer Administração, mas não me identificava com as pessoas da turma. Agora, eu adoro o meu trabalho – diz a aluna do 6 período na Universidade Gama Filho.

O contato com alunos é uma das partes mais importantes do trabalho, segundo Netto. Os estagiários Diogo e Marcela concordam.

– Com certeza, são muito legais esse convívio que a gente tem, o ambiente mais à vontade e as amizades que fazemos. É bacana poder ajudar as pessoas a ter uma vida melhor – diz Diogo.

Fonte: Portal da Educação Física

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *