fotonoticia__MG_7948 (1)A Comissão de Ensino Superior do CREF3/SC participou, na última segunda-feira, 18 de junho, de audiência pública promovida pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, em conjunto com a Associação dos Conselhos Profissionais de Santa Catarina (ASCOP), para debater sobre os cursos de educação a distância (EAD) para a formação de profissionais da área da saúde, tanto em nível técnico quanto superior a formação de profissionais tema. Participaram da audiência os conselheiros membros da comissão Patrícia Esther Fendrich Magri (CREF 001487-G/SC), Clovis Arlindo de Souza (CREF 003847-G/SC) e Marino Tessari (CREF 000007-G/SC), que representou a ASCOP no evento.

O evento foi proposto pela deputada Ana Paula Lima (PT), que é enfermeira de profissão e considera o EAD incompatível com as necessidades de formação desse tipo de profissional, pela necessidade do desenvolvimento das práticas envolvidas no processo e o contato com o paciente. “Não se trata de revogar o papel das tecnologias e das inovações tecnológicas, algo que defendemos e queremos a ampliação e o fortalecimento do seu uso, mas de uma forma apropriada, não como está acontecendo atualmente. A formação a distância para estes profissionais não é apropriada e pode comprometer de forma brutal a qualidade do atendimento prestado no país”, disse.

A deputada também se mostrou preocupada com o aumento expressivo do número de vagas de graduação na área da saúde ofertadas na modalidade EAD, que teria saltado de 274,6 mil para 521,4 mil no último ano, em razão da regulamentação editada pelo governo federal. Ela é autora do projeto de lei (PL) 293/2016, que veda o funcionamento no estado de cursos técnicos de enfermagem EAD. O projeto, que tramita em regime ordinário, já recebeu parecer favorável das Comissões de Constituição e Justiça e de Finanças e Tributação e atualmente encontra-se em análise na Comissão de Educação, Cultura e Desporto.

Para a presidente da Comissão de Ensino Superior do CREF3/SC, Patrícia Esther Fendrich Magri (CREF 001487-G/SC), a discussão alerta para a necessidade de uma formação de qualidade, ancorada nas práticas de ensino, pesquisa e extensão e muito mais, que incentive e oportunize o aspecto relacional. “A tecnologia está presente no nosso dia a dia e certamente é uma ferramenta que contribui muito para disseminação e compartilhamento de informações, porém não substitui em nenhuma medida o que os estudantes precisam experimentar para estarem preparados para lidar com as pessoas”, ressalta.

Patrícia complementa dizendo que “educação não é mercadoria que pode ser “vendida” nos meios eletrônicos. Educação é um processo pelo qual aprendemos e compartilhamos experiências que nos tornam aptos e capazes de viver em sociedade, portanto precisamos garantir que as práticas sociais, de interação e colaboração sejam preservadas”.

Dorisdaya Humerez, do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), observou que a modalidade EAD é vedada para a formação de médicos, odontólogos e psicólogos, mas aberta a 14 categorias de profissionais da saúde, as quais, disse, também necessitam de uma experimentação prática mais intensa nas suas formações. Como comparativo, ela citou que em uma graduação em enfermagem na forma presencial, que compreende cinco anos, são exigidos dos alunos 2 mil horas de participação em estágios. “Sem esta formação mais abrangente, estaremos expondo a população ao risco de erros, danos, imperícias ou negligências. Infelizmente, nós estamos passando por um momento horrível e precisamos repensar a profissão em saúde no nosso país.”

Opinião semelhante foi apresentada pela presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-SC), Helga Bresciani. Conforme a entidade, atualmente são oferecidos no estado cursos de graduação em enfermagem na forma EAD nas cidades de Araranguá, Blumenau e Joinville. “É impossível pensarmos que a enfermagem, em que é essencial a prática e a integração entre profissional e paciente, possa ser ensinada a distância. Fora disso, de que forma se conseguirá a qualidade e a segurança na assistência que a população tanto precisa? É por este motivo que precisamos debater essa situação com a sociedade.”

Ao final da audiência pública ficou decida a elaboração e um documento no qual as entidades participantes declaram apoio ao PL 293/2016, de Ana Paula Lima e ao PL 2.891/2015, do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SC), que proíbe a formação não-presencial na graduação de enfermagem. Também ficou estabelecido que os conselhos profissionais avaliarão de forma mais criteriosa os estágios realizados no âmbito dos cursos EAD.

Informações e foto: Alesc – AGÊNCIA AL

fotonoticia__MG_7961 fotonoticia__MG_7967

21 de junho de 2018
fotonoticia__MG_7967

CREF3/SC participa de audiência pública sobre o Ensino a Distância dos cursos da área da Saúde na Alesc

A Comissão de Ensino Superior do CREF3/SC participou, na última segunda-feira, 18 de junho, de audiência pública promovida pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, em […]
20 de junho de 2018
banner-copa-02

CREF3/SC altera horários de atendimento externo durante os jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo

Durante os jogos da Seleção Brasileira na primeira fase da Copa do Mundo de Futebol, o CREF3/SC terá seu horário de atendimento externo diferenciado. Confira: Dia […]
20 de junho de 2018
itinerante--banner-generico

CREF Itinerante estará nos JESC, em Videira, dias 27 e 28 de junho

Nos dias 27 e 28 de junho, o CREF Itinerante levará os serviços do Conselho para Videira, durante os Jogos Escolares de Santa Catarina para estudantes […]
20 de junho de 2018
workshop-29

Já fez sua inscrição? Prof. Dr. João Moura convida para o Workshop de Capacitação e Atualização Profissional de Canoinhas

Já fez sua inscrição? O Prof. Dr. João Augusto Reis de Moura (CREF 007870-G/SC) convida profissionais de Educação Física e acadêmicos para o debate no Workshop […]