O povo brasileiro é um dos mais sedentários do mundo
20 de julho de 2012
Acadêmico da Udesc realiza trabalho sobre a origem do conhecimento profissional dos treinadores no futebol de Florianópolis
26 de julho de 2012

Arbitragem catarinense se destaca no voleibol

Apesar da arbitragem nas diversas modalidades esportivas não ser exclusividade dos profissionais de Educação Física, a maioria dos árbitros que atuam no Voleibol em Santa Catarina e no Brasil são formados em EF. Cada vez mais a arbitragem se constitui em uma ótima alternativa de trabalho para muitos profissionais de Educação Física.

Muita dedicação, concentração e estudo das regras são características que fazem um bom árbitro de voleibol. Destaques na arbitragem catarinense e brasileira, Maurício Scharf (CREF 000282-G/SC) e Paulo Luis Beal (CREF 000802-G/SC) e apitaram as finais da Super Liga Masculina e Feminina deste ano e contam um pouco sobre a atuação em entrevista ao CREF3/SC:

CREF3/SC – Como foi ser escalado para apitar, sendo representante da Federação Catarinense de Voleibol?

Maurício Scharf – A escala é feita pela confederação e vem agraciar as boas atuações durante a temporada, pois a superliga deste ano foi bem disputada. Representar a Federação Catarinense é sempre gratificante ainda mais sendo árbitro na categoria nacional, pois o Departamento de Arbitragem vem realizando um excelente trabalho na preparação da arbitragem de SC.

Paulo Beal – A escalação veio para premiar nosso trabalho, aliado ao trabalho sério dos nossos coordenadores de arbitragem Salvador Bononi e Margareth Nercolini e também do nosso presidente, Dante Klaser.

CREF3/SC – Como é o mercado nessa área?

Maurício Scharf – O mercado é amplo, pois temos varias competições, tanto na federação como eventos da Fesporte.

Paulo Beal – Hoje o mercado em arbitragem é considerado bom. Temos jogos o ano todo, seja em campeonatos Estaduais, através da Federação Catarinense de Voleibol, os jogos da Fesporte (JESC/OLESC/JOGUINHOS e JASC) e de dezembro a abril a Superliga, que é uma competição da Confederação Brasileira de Voleibol, além dos jogos internacionais, ou seja, Sul Americanos, Mundiais, etc. O mercado é bom, mas tudo isso depende de um bom desempenho do profissional em quadra.

CREF3/SC – O que fazer para se tornar um bom árbitro?

Maurício Scharf – É preciso muita dedicação, estudo das regras, concentração, companheirismo. Uma coisa importante também é assistir jogos e prestar atenção na arbitragem e não na beleza do jogo, assim como não atropelar etapas.

Paulo Beal – A Federação Catarinense de Voleibol promove todos os anos o curso de formação para árbitros e apontadores de Voleibol, o inicio de toda a carreira. Para tornar-se um bom árbitro é preciso estudar muito as regras do jogo e também gostar muito de voleibol, além de saber escutar os mais experientes, sem esquecer-se da humildade.

CREF3/SC – Ser um profissional de Educação Física faz diferença na hora da arbitragem?

Maurício Scharf – Ajuda bastante, ter o conhecimento da área da Educação Física, tanto nos aspectos técnicos como na fundamentação teórica.

Paulo Beal – Acredito que sim, ajuda muito, afinal nós temos tudo a ver com o esporte.

CREF3/SC – Qual a importância para o seu trabalho?

Maurício Scharf – Me gratifica muito, ao final da temporada, ver o meu trabalho ter importância e reconhecimento dos amigos, dos meus alunos que assistem aos jogos que atuo. Isso faz com eu procure manter sempre o nível das atuações nas partidas que virão.

Paulo Beal – Hoje estou na função de Diretor de Escola, mas recebo elogios dos meus alunos e de toda a comunidade escolar e também dos meus chefes da Gerência Regional de Educação. Para mim é de suma importância, pois no momento eu sou o único árbitro internacional de voleibol da Federação Catarinense e nascido em Água Doce Santa Catarina, Catarinense com muito orgulho.

Para o presidente do CREF3/SC, Marino Tessari, o bom trabalho vem sendo recompensado. “Ficamos muito orgulhosos pela atuação dos nossos colegas nas finais da Superliga Masculina e Feminina de Voleibol. Consideramos que foi um prêmio pelo belo trabalho realizado na arbitragem pelos mesmos em Santa Catarina e no Brasil”, comentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *